segunda-feira, 26 de março de 2012

O dia que eu quase perdi meu tesouro...

Um sábado lindo! Tudo perfeito, ao lado de pessoas queridas, crianças felizes... nada poderia estragar o momento.
Mas não foi bem assim.

Vamos começar do começo, né?
Fomos passar o dia na casa do meu tio. Ele tem dois filhos, sendo que a mais nova tem a idade do Lucas. Passamos um dia lindo, rindo, crianças brincando, comidinha deliciosa. 
No fim da tarde resolvemos levar os pequenos para um parquinho próximo. Chegando lá nos sentamos à mesa de uma lanchonete em frente ao parquinho e deixamos as crianças brincarem a vontade. A todo momento um dos adultos ia vigiar as crianças. Mas numa fração de segundos o filhote desapareceu! Ele estava escorregando e depois já não estava no parquinho!
A esposa do meu tio que percebeu que ele não estava no parquinho. Saí correndo a procura dele e uma vizinha o viu andando na rua ao lado. Na esquina o vi já indo longe, seguindo um homem. Dei um grito tão forte, tão alto, tão desesperado! O moço simplesmente mostrou a ele que eu o chamava e continuou andando. Daí eu comecei a correr desesperadamente e ele a vir ao meu encontro. O peguei no colo e abracei e beijei, cheirei, chorei também! 
Só então é que percebi que o moço que ele seguia simplesmente entrou num carro e foi embora.
Depois fiquei pensando! Cara, esse homem poderia ter levado meu filho! Pensei em tanta coisa que poderia acontecer! Agora só penso que ele está aqui comigo.
Nesses dois dias fiquei grudada no Lucas. E, mesmo tendo ouvido, há alguns dias, da psicóloga que eu sou super protetora, não consigo deixo longe do meu campo de visão por nenhum segundo.

Quero agradecer a Deus por não ter deixado nada acontecer com meu pequeno, por ter colocado um anjo que o viu, por ter m dado força e fôlego para pegá-lo. Obrigada Senhor! E nem todos os dias da minha vida serão suficientes para agradecê-lo!

Para quem acompanha o blog fica a dica: todo cuidado é pouco. Existe gente ruim em todos os lugares, até num parquinho cheio de crianças com pessoas aparentemente inofensivas.

Para meu filho: Desculpa! Não sei o que seria da minha vida sem sua presença, você é o que há de melhor em mim! Te amooooo!!!

4 comentários:

Thyallen Oliveira disse...

AIn flor chega me arrepiei aqui, nossa que desespero nossa espero nunca passar por isso! Mas não se culpe por isso crianças não veem maldade em ngm

Débora disse...

Nossa, Janna !
Imagino o seu susto e desespero. Nem quero imaginar.... Que bom que não passou disso mesmo... um susto. Um abraço e uma ótima semana pra vcs

Rafaella disse...

Ai que horros...
Credo, fiquei assustadissima...
Acho que toda mãe passa por isso, e morro de medo de acontecer ou quando acontecer...
Todo cuidado é pouco...
Deus agiu e vc o viu na hora certa, esse homem estava com más intenções, pois se tivesse boas, ele tinha batido de casa em casa, chamado a policia e outras coisas...
Que bom que seu pequeno esta bem...
Bjs

Mon Maternité disse...

Janna querida ... que desespero!

Uma vez, numa festinha de aniversário de tanto falarem que eu era superprotetora eu deixei Sophia brincar nos brinquedos e fiquei meio longe, conversando! De repente ... cadê!?! Meu Deus, saí desesperada correndo e procurando e o pavor subindo! Estava quase matando o marido que não tinha ficado de olho como tinha pedido ... quando olho para a mesa do bolo aonde estavam as televisões passando o clipe do aniversariante. Na hora, começou a passar o DVD da Galinha Pintadinha e Sophia foi questionar a monitora porque não saia som!

Prefiro pecar pelo excesso e ser mega protetora do que morrer infartada aos trinta!

Beijoooos, Má
www.monmaternite.com